Páginas

O Espírito Santo É uma pessoa?

O Espírito Santo é uma pessoa
O Espírito Santo é uma Pessoa?
Algumas pessoas têm esta dificuldade, de assimilar o Espírito Santo, O Espírito de Deus a uma pessoa. Vamos ver, a luz da Bíblia e suas interpretações, como se dar a pessoalidade do Espírito Santo. Sera ele mesmo uma pessoa? Vemos já nesta pergunta uma dica para a resposta... mas vamos a diante.


Cada pronome usado em referência ao Espírito é "ele" ou "dele". O idioma original grego no NT é explícito em confirmar a pessoa do Espírito Santo. A palavra para Espírito (pneuma), é neutra e naturalmente concorda com os pronomes neutros para ter acordo gramatical.

Porém, em muitos casos, o pronome masculino é encontrado:

JOÃO 15:26  " Mas, quando vier "O CONSOLADOR", que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim."


JOÃO 16: 13-14  "Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.

Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar.

O Espírito é mencionado com o pronome "ELE", como uma pessoa.

Vejamos algumas passagens bíblicas referentes ao Espírito Santos, que só podem ser atribuídas à uma pessoa:

     - Não devemos entristecer o Espírito. (Efésios 4:30)
"E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção."

     - É possível pecar contra o Espírito Santo (Isaias 63:10)
"Mas eles foram rebeldes, e contristaram o seu Espírito Santo; por isso se lhes tornou em inimigo, e ele mesmo pelejou contra eles."

     - É possível mentir ao Espírito Santo. (Atos 5:3)
"Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade?"

     - Devemos obedecê-lo. (Atos 10: 19-21)
"E, pensando Pedro naquela visão, disse-lhe o Espírito: Eis que três homens te buscam.

Levanta-te pois, desce, e vai com eles, não duvidando; porque eu os enviei.
E, descendo Pedro para junto dos homens que lhe foram enviados por Cornélio, disse: Eis que sou eu a quem procurais; qual é a causa por que estais aqui?"


     - Devemos honrar o Espírito Santos. (Salmos 51:11)
"Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo."

A pessoalidade do Espírito Santo também é afirmada em suas muitas obras.
     - Esteve pessoalmente envolvido na criação: (Gn. 1:2)
     - Ele dá força ao povo de Deus: (Zc 4:6)
     - Guia: (Rm 8:14)
     - Conforta: (Jo 14:26)
     - Condena: (Jo 16:8)
     - Ensina: (Jo. 16:13)
     - Restringe o pecado: (Is. 59:19)
     - Dá comandos: (Atos. 8:19)

Cada uma dessas obras exige o envolvimento de uma pessoa em vez de uma mera força, coisa ou ideia.

Os atributos do Espírito Santo também apontam para sua personalidade:

     - O Espírito Santo tem vida: (Rm. 8:2)
     - Tem uma vontade: (1Co. 12:11)
     - É onisciente: (1Co. 2:10-11)
     - É eterno: (Hb. 9:14)
     - É onipresente: (Sl. 139:7)
Uma força não pode possuir estes atributos, mas o Espírito Santo possui.

. Em Atos 5:3-4, Pedro se refere ao Espírito Santo como Deus.
. Paulo também se refere a Ele como Deus. 2Co 3:17-18

O Espírito Santos é uma pessoa, como a escritura sagrada deixa claro.
Ele serve em perfeita unidade com o Pai e o Filho para nos guiar em nossa vida espiritual, e deve também ser reverenciado como Deus.  

Será Deus Pai de todos?

Será Deus pai de todos?
Será Deus pai de todos?
E disse Deus Façamos o homem a nossa imagem e semelhança. 
E criou Deus o homem, a sua imagem a imagem de Deus os criou. Macho e Fêmea os Criou.
No princípio, criou Deus o céu e a terra e todos os seres viventes, inclusive o homem e a mulher. Desde então, houve o Criador e sua criatura, inclusive o homem. Então diz-se que DEUS É O PAI DE TODA A HUMANIDADE, PORÉM, ISSO NÃO PROCEDE DIANTE DA BÍBLIA SAGRADA.
 Desde a queda do homem no éden, o ser humano caído em pecado é criatura e não filho de Deus. Para se tornar filho de Deus, é preciso crer no sacrifício vicário de Cristo, para então ser recebido pelo Pai como filho.

" Mas todos quanto o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (Jo 1.12)

Crer em Cristo, em seu sacrifício não é apenas reconhecer que Ele existe. Significa crer na sua palavra e obedecê-la, pois assim ela diz que devemos obedecer o mandamentos de Deus.
Deus é amor. logo Ele requer que seus filhos amem, inclusive ame a Ele acima de todas as coisas, e a seu próximo como a si mesmo (Mt. 22 37-39). Se você é filho, você ama a Deus e a seu próximo.
Como saber se realmente amamos a Deus:

 "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, este é o que me ama..."
"... Jesus respondeu e disse: se alguém me ama, guardara a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada. " (Jo 14: 21-23)

Guardar a palavra de Deus significa ter zelo, cumprir, obedecer se assim quisermos nos tornar filhos do Deus Altíssimo, e fazer parte de sua família, desfrutando de uma relação terna e amorosa. É um privilégio ser membro de uma família em que todos passam a chamar e a considerar uns aos outros, irmãos em Cristo.
Neste caso, quem não é filho de Deus é filhos de quem? Bem, vamos ver à luz da Bíblia algumas filiações aplicáveis a este caso:

"... andávamos nós desejosos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira. ( Efésios: 2: 3)

" em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo... do espírito que, agora, opera nos filhos da desobediência." ( Efésios 2: 2) 

"Vós tendes por pai o diabo, e quereis satisfazer os desejos dele.
ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade... porque é mentiroso e pai da mentira. ( João 8:44) (Quem pratica a mentira, também tornou-se irmão dela).

Devemos nos examinar a nós mesmos, e ver a quem estamos servindo. 
A quem estamos obedecendo. 
A quem temos por Pai.

Deus deseja que nos cheguemos Ele, e Ele se chegará a nós (Tiago 4: 7)
Veja que Deus requer uma atitude sua. Anele por servir a Cristo, obedecer a Cristo. Ele te ama, e quer te amar, e te receber por Filho.

Deus abençoe a todos!!


Jornalista da globo debocha de Jesus, dizendo que sua volta é uma tolice

Jornalista da globo debocha de Jesus, dizendo que sua volta é uma tolice
Jornalista "debocha" da volta de Cristo. Diz que é tolice.
     Na semana passada, durante sua participação no programa Em Pauta, da Globo News, jornalista Jorge Pontual falou sobre a decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.
Conhecido por sua postura liberal, o correspondente da Globo em Nova York sempre foi um crítico do presidente Trump. Mas agora tem disparado contra os evangélicos que apoiam o republicano.
    Durante o programa, Pontual disse que à crença na volta de Jesus é “maluquice”. Foi a segunda vez que ele falou sobre o assunto ridicularizando-o. Em outras ocasiões ele já havia criticado os evangélicos, especialmente por apoiarem Trump em questões morais.
“Há profecias de que Israel, recuperando Jerusalém, vai reconstruir o Templo de Salomão, e isso é… a condição necessária para a volta de Jesus Cristo e para o fim dos tempos. Ou seja, é uma visão apocalíptica! Eles estão caminhando para o Apocalipse, achando que eles – esses cristãos mais fundamentalistas – vão ser salvos, enquanto nós, que não somos assim, tão radicais, vamos ficar para trás. É uma maluquice né?”, afirmou Pontual.
     Em seguida, fez a correlação com questões políticas. “Mas é uma crença religiosa, é uma questão teológica, só que tá alimentando a política externa americana”.
Pontual disse que a decisão é “completamente absurda, porque Trump entregou ‘de bandeja’ para os israelenses uma coisa que os Estados Unidos seguravam há 70 anos, que era o status final de Jerusalém, como uma arma de negociação para forçar os israelenses a ceder alguma coisa”. Insistiu também que “todo mundo nos Estados Unidos está muito preocupado com o que vai acontecer”.
O vídeo se popularizou nas redes sociais, com muita gente afirmando que até a Globo estava falando sobre a volta de Cristo. Contudo, o tom do jornalista não foi profético, mas de deboche.
Porém sabemos que a volta de Cristo é eminente e terá proporções mundiais em que as profecias têm que se cumprir. É o que estamos vendo, como por exemplo, Jerusalém se tornando capital de Israel.
Assista o vídeo

O que é o Ramadã, segundo um cristão ex-muçulmano

O que é o Ramadã, segundo  um cristão ex-muçulmano
Ramadã
Por 30 dias, todos os muçulmanos adultos e saudáveis realizam jejum durante o dia, e muitos deles se tornam mais devotos durante esse período. Este é o Ramadã. Em uma entrevista com um cristão secreto de origem muçulmana do Sudeste Asiático, ele relata o que este tempo significava para ele quando ainda era um seguidor do islã, e o que é agora que ele segue a Jesus Cristo.

 - Quando você era um muçulmano, o que normalmente fazia durante o mês de jejum?

Meu jejum começava no nascer e ia até o pôr do sol. Era um jejum completo, em que eu não podia comer ou beber coisa alguma. Antes de começar, fazia minha niyat e recordava da minha intenção de manter o jejum durante o Ramadã.

No dia seguinte, acordava às 4h30 para tomar o café da manhã. Em nossa refeição havia arroz frito ou macarrão com alguma carne e vegetais. Depois de comer, realizava a oração da manhã durante cinco minutos, depois voltava a dormir e acordava em minha hora habitual de ir ao trabalho.

Para mim, o trabalho era normal, mas alguns muçulmanos reduziam suas atividades para economizar energia. Muçulmanos, portanto, têm permissão de sair do trabalho mais cedo, tempo de ir para casa cozinhar ou comprar comida para o desjejum.

No pôr do sol, fazia a oração para a quebra do jejum: "Ó, Alá! Eu jejuei por você e acredito em você e eu rompo meu jejum com o seu sustento".

 - Qual é sua visão do jejum agora que você crê em Cristo?

Meu motivo para jejuar é diferente agora. Quando era muçulmano, jejuava para ter alguma vantagem espiritual. Eu precisava de muitas delas para que no dia do julgamento, quando Alá avaliaria minhas obras, minhas virtudes compensassem meus pecados [e eu pudesse entrar no paraíso]. Por essa razão eu tentava ser um bom muçulmano, cumprindo todas as leis do islã, orando cinco vezes por dia, dando esmolas aos pobres, e tentando converter cristãos.

Mas ainda assim, eu ainda não podia ter certeza de que Alá aceitaria meus méritos. Isso sempre esteve na mente de muitos muçulmanos, inclusive na minha. Mas não nos é permitido questionar isso. Quando olho para trás e vejo minha vida como muçulmano, me sinto enganado e sinto que foi injusto eu não ter tido liberdade de religião.

Mas graças a Deus agora eu sou um cristão. Eu tenho a certeza de Cristo que meus pecados foram lavados por seu sangue. Eu não preciso mais ter medo. Agora eu jejuo para aprofundar meu relacionamento com Deus e para conhecer mais a Cristo. Agora eu jejuo e oro para que Deus salve outros muçulmanos que ainda estão tentando agradá-lo. Agora eu jejuo para que muçulmanos descubram a bênção que é conhecer a Cristo como eu descobri!

 - Você ainda jejua durante o Ramadã?

Como cristão secreto, tenho que fingir que estou jejuando na frente dos meus colegas muçulmanos. Não fazer isso resultaria em suspeitas e interrogatórios. É apenas quando estou sozinho ou com outros cristãos secretos que eu posso ser eu mesmo. Não é fácil viver uma vida dupla.

Muitos cristãos secretos como eu não ousam revelar a fé porque, se forem descobertos, serão mandados para centros de reabilitação islâmicos. Eu ouvi histórias de lavagem cerebral, tortura e abuso mental para fazer que cristãos de origem muçulmana neguem a fé em Cristo.

Se isso um dia acontecer comigo, eu não sei como iria responder a tamanha perseguição. Ainda assim, tenho pavor de negar a Jesus. Portanto, ore por mim e por meus amigos ex-muçulmanos, para que Deus nos dê força para não negá-lo.

Oremos...

Pelos cristãos de origem muçulmana, para que tenham força para se apegar a Cristo, mesmo se sua fé for descoberta e eles encararem sérias consequências. E ore para que Deus revele seu Filho, Jesus, a muitos muçulmanos durante o Ramadã.

Testemunho do Ex Gay de como ele deixou a homossexualidade, a prostituição e as drogas

Ex gay
No meio evangélico, casos de ex-homossexuais são comuns, assim como de ex-viciados em drogas, pornografia e prostituição. Esse é o caso de Ramon Pedro, que após se converter a Jesus Cristo teve sua vida transformada e hoje testemunha como deixou a homossexualidade, prostituição e as drogas.

Ramon Pedro, que também já foi um maquiador bastante requisitado nas baladas capixabas, atualmente mora em Salvador, na Bahia, onde idealizou o “Projeto Esperança”, responsável por acolher pessoas que vivem às margens da sociedade, como dependentes químicos, prostitutas, travestis, etc.

Ramon Pedro faz duas declarações importantes para a compreensão da sua história: a primeira delas diz respeito ao que ele chama de “família desestruturada”. Objetivamente falando, essa concepção está fundamentada no fato de que a família é composta por referenciais, sendo os dois principais o paterno e materno. A falta ou deficiência de alguma dessas figuras, ocasionando prejuízo no campo afetivo/psicológico da família, é o que pode caracterizar, popularmente, a chamada “família desestruturada”.

“EU NASCI NO SEIO DE UMA FAMÍLIA TOTALMENTE DESESTRUTURADA, ESPIRITUAL E EMOCIONALMENTE. OS MEUS PAIS SE SEPARARAM QUANDO EU TINHA 10 ANOS E ISSO TROUXE PARA MEU FUTURO SÉRIAS CONSEQUÊNCIAS: A FALTA DA PATERNIDADE E A CARÊNCIA DO QUE ERA UMA FIGURA PATERNA NA MINHA VIDA”, DISSE RAMON.

A segunda afirmação, com base na primeira, diz respeito ao que levou Ramon Pedro ao comportamento homossexual. Para ele:

“A CARÊNCIA DA AFETIVA QUE EXISTIA EM MIM ME LEVOU PARA A HOMOSSEXUALIDADE. EU COMECEI A ENCONTRAR NOS HOMENS COM QUEM ME RELACIONAVA, O SENTIMENTO QUE EU NÃO TIVE PELO MEU PAI, DE AFETO, DE CARINHO E EU COMECEI A ME ENVOLVER COM A FIGURA MASCULINA, BUSCANDO PREENCHER ESSA CARÊNCIA QUE EXISTIA DENTRO DE MIM, DESDE A MINHA INFÂNCIA”

Em uma publicação da Psicóloga Angela Louzada Santos, Mestre em Psicologia e Educação, feita no site do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC), onde relaciona a compreensão da homossexualidade segundo a Psicanálise, Louzada faz diversas pontuações em que relaciona a causa da homossexualidade, também, aos problemas de ordem afetiva desenvolvidos na relação familiar, entre as figuras paterna e materna, o que fundamenta a declaração de Ramon Pedro.

Outro destaque no testemunho de Ramon está em sua atuação como “ativista gay”. Para ele, isso teve influencia dos veículos de comunicação, como a música e o que chamou de “sistema”, ou seja; o contexto social em que vivemos: “Eu fiz parte de uma geração que foi influenciada pela mídia, pela música, pelo sistema que eu me encontrava, e essa influência me levou a me tornar um ativista gay”, declarou.

A afirmação de Ramon Pedro sobre o poder de influência que a mídia exerce sobre o comportamento (e pensamento) humano possui pleno fundamento em um conceito chamado de “modelagem”, explorado pela maior autoridade em aprendizagem social cognitiva do mundo, o Psicólogo canadense e professor da Universidade de Stanford, Albert Bandura. Na obra Teorias da Aprendizagem, Guy R. Lefrancois cita Bandura, como segue:

“[…] a maior parte do comportamento humano é aprendido pela observação através da modelagem. Pela observação dos outros, uma pessoa forma uma ideia de como novos comportamentos são executados e, em ocasiões posteriores, esta informação codificada serve como um guia para a ação.”

FINALMENTE, RAMON TAMBÉM CONTA COMO FOI DIFÍCIL ABANDONAR A DEPENDÊNCIA QUÍMICA, A PROSTITUIÇÃO E A PORNOGRAFIA, MAS QUE ENCONTROU FORÇAS EM JESUS CRISTO PARA SE LIBERTAR. Atualmente Ramon é casado com Raiane Teodoro e além de atuar no Projeto Esperança, percorre diversas igrejas testemunhando o que Deus fez em sua vida.

“A BÍBLIA DIZ QUE JESUS É A LIBERDADE, QUE ELE NOS LIBERTOU PARA A LIBERDADE (…) EU LARGUEI AS DROGAS, SÓ MESMO PELA FORÇA DE DEUS EM MIM. EU COSTUMO DIZER QUE POR MIM MESMO, EU NÃO IRIA CONSEGUIR. A BÍBLIA DIZ QUE ELE É A NOSSA FORÇA, QUE É ELE QUEM NOS FORTALECE”, DECLAROU.



Podemos julgar o próximo?

Podemos julgar o próximo
Podemos julgar o próximo?

O TEXTO DE MT 7.1 NÃO PROÍBE TODO TIPO DE JULGAMENTO, SOMENTE O JULGAMENTO HIPÓCRITA (Não jugueis para que não sejais julgado Mt 7.1...)


Uma das regras de interpretação diz que devemos ler o contexto para interpretarmos o texto corretamente. O contexto de Mt 7. 1 mostra um tipo de julgamento firmado na hipocrisia. O julgamento de quem aponta o defeito no outro, mas tem o mesmo defeito e até pior (Mt 7.3). Esse tipo de julgamento é condenado por Jesus. É desse tipo de julgamento que Jesus se refere no texto em questão. É o julgamento, por exemplo, dos fariseus que julgavam certas práticas do povo, ou de alguns grupos de indivíduos, mas também as praticavam.

Note que Jesus, nesse mesmo texto, manda a pessoa julgar, porém, manda que ela resolva primeiro a sua situação para, só depois, ter autoridade para olhar para a situação do outro: “Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” (Mt 7.5). Como tirar o argueiro do olho do irmão sem julgar se aquilo que ele tem no olho é realmente um argueiro que precisa ser retirado?
                                   
A BÍBLIA MOSTRA DIVERSOS EXEMPLOS DE SERVOS DE DEUS JULGANDO, INCLUSIVE JESUS.

Jesus julgou os maus atos dos fariseus. Chamar os fariseus de “raça de víboras e maus” é julgar: “Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração.” (Mt 12. 34)

Paulo manda a igreja julgar suas próprias causas e critica (julga) a igreja de Corinto por levar causas a tribunais ao invés de julgarem ali mesmo na comunidade e resolverem a situação. Ou seja, pode e deve julgar: “Não há, porventura, nem ao menos um sábio entre vós, que possa julgar no meio da irmandade?” (1Co 6. 5).

Aqui João julga diversas atitude de um tal Diótrefes e promete chamar a atenção dele. Chama-o de caluniador e de mentiroso: “Eu escrevi uma pequena carta à igreja, mas Diótrefes, que deseja ser o líder, não quer dar atenção ao que eu disse. Portanto, quando eu chegar aí, vou chamar a atenção dele a respeito de tudo o que ele tem feito: as coisas horríveis que diz de nós e as mentiras que conta…” (3Jo 1. 9-10 – NTLH)

NÃO HÁ COMO CUMPRIR CERTAS PARTES DA BÍBLIA SEM JULGAR

Como iremos, sem julgar, reprovar as obras das trevas como nos manda Ef 5. 11? Como iremos, sem julgar, descobrir o disfarce dos falsos mestres como nos manda Jesus em Mt 7. 15? Como saberemos, sem julgar, rejeitar o falso evangelho pregado, como Paulo nos orienta em Gl 1.8? Como iremos rejeitar o sinal da besta descrito em Ap 13.18 sem julgar aqueles que tentarão nos impor o seu uso? Como identificar as heresias destruidoras mencionadas em 2 Pe 2. 1 sem julgar os ensinos dos que a pregarão? Como, sem julgar, saberemos entrar pela porta estreita, rejeitando o caminho largo como nos manda Jesus em Mt 7. 13-14?…

Conclusão

Creio que ficou claro que devemos sim julgar. A Bíblia proíbe o julgamento hipócrita, mas não proíbe julgarmos outras questões importantes da nossa vida. É evidente que julgarmos com violência, desrespeito, preconceito e outras atitudes prejudiciais não é do agrado de Deus. O que está em foco aqui é o julgamento saudável, importante para o ser humano e para a sociedade.

Creio que os que defendem que não devemos julgar, deveriam primeiro avaliar o que a Bíblia diz e depois olharem para si mesmos e observarem que, como todo ser humano, julgam o tempo todo: No trânsito, ao criticar a ação errada de determinado motorista; em casa, ao chamar a atenção de um filho; no trabalho, ao não concordar com a posição do chefe ou lutando contra alguma injustiça; Na igreja, ao questionar alguma doutrina com algum irmão ou lider… e uma última: as mulheres quando acham a roupa da outra horrível também estão julgando (risos)


Assim, julgar é inerente ao ser humano, é aprovado pela Bíblia e faz parte da vida!

Fonte: Esboçando Ideias